Loja “Kalina”

Um chazinho e um sorriso, por favor

Diário de Aveiro, ADÉRITO ESTEVES (TEXTO) E PAULO RAMOS (FOTO) SEGUNDA, 27 NOVEMBRO 2017

kalina-loja

“Às vezes, o meu pai agarra no acordeão e vem tocar para a loja. É uma coisa muito tradicional na nossa terra. As pessoas juntam-se, comem, bebem e dançam. E quando ele faz isso, muita gente vem cá porque sente-se verdadeiramente em casa”. Apesar de poder não parecer, Viktoriya Revuchenko, ucraniana de 37 anos, fala da loja que tem no centro comercial Oita. Kalina, um estabelecimento de produtos de Leste, que mais do que uma loja de conveniência para as pessoas que têm dificuldade em encontrar os sabores que os fazem viajar de regresso às origens, parece ser uma loja… de convívio. Pelo menos, é essa a ideia com que ficamos ao escutar o carinho com que Viktoriya fala da sua Kalina. “Abri a lojinha por sentir um vazio. Faltavam-me os amigos. E aqui tenho um local quase de família. Nem é tanto o negócio que me faz vir para cá, mas a possibilidade de estar com as pessoas. É quase um hobby”, resume a comerciante que, além da Kalina, é responsável por um centro de terapias de recuperação. O sorriso que mantém durante quase toda a conversa mantida com o Diário de Aveiro e promovida pela Associação Parceiros da Amizade prova bem o gosto que tem naquele pequeno espaço que dinamiza no terceiro andar do centro comercial localizado na Avenida Lourenço Peixinho. O sorriso, mas também as ofertas constantes.